E O ASSUNTO DE HOJE… SONHOS (PARTE II, A ANÁLISE DE FREUD)

…Continuando o post anterior:

Segundo a teoria de Freud: os sonhos são a manifestação de desejos reprimidos. Ponto. Vários sonhos, de fato, parecem ser isso mesmo. Se você está com sede, provavelmente vai sonhar que está bebendo água. Mas não podemos já começar falando sobre isso, sem falar melhor sobre o pensamento de Freud sobre a nossa consciência. (Quem quando criança nunca sonhou que estava no banheiro fazendo xixi e depois acordou na cama todo molhado, que atire a primeira pedra)

Os níveis de consciência segundo Freud estão distribuídos entre as três entidades que formam a mente humana, o Id, o Ego e o Superego. Segundo ele,  o cérebro é dividido em três partes. Onde aproximadamente de 96% a 97% é inconsciente, 3% é razão e o restante do quase 1% é o subconsciente que fica fazendo o trâmite entre o inconsciente e a razão.

Dentro do inconsciente, temos duas coisas: o que ele chamava de Id, que significa o desejo e o prazer (Freud acreditava que o desejo no homem é inato, ou seja, que já nascemos com ele automaticamente, e só o perdemos na hora da nossa morte. Desejo em pessoas, em coisas, em atos). A outra parte ele denominou de Superego, que ao contrário do prazer, significa o dever, ‘o que temos que fazer’. Então a razão (Ego) nada mais é do que um princípio de realidade.

Por exemplo, você tem uma aula muito chata na faculdade, matéria importante que certamente irá cair na prova. Última aula, quase dez horas da noite. E… te chamam para ir ao cinema (óbvio que eu pensei em ‘bar’, mas vamos para um exemplo mais comportado). Um pessoal que você não vê há um tempo. O que você faz?

Seu cérebro automaticamente vai pender para o seu desejo, que é ir ao cinema, vai pender para o Id. MAS, seu Superego sabe que você precisa de nota e tem que estudar. E o que faz você tomar essa atitude, é a sua parte da razão. Você pode tomar sua decisão em qualquer um dos dois lados. Seu cérebro cria desculpas para você ir para o lado do Id, do desejo. Do tipo ‘ah, depois eu pego a matéria com algum amigo’; ‘posso não ter mais essa oportunidade de sair de novo’; ‘não vou me levar muito a sério’; e etecéteras. Partindo dessa ideia, é que podemos entender porque algumas pessoas agem mais pela razão, e outras pela emoção (desejo). Porque possuem um dos lados mais acentuados.

Quando crianças, somos totalmente Id, ou seja, levados pelo desejo. Queremos tudo, e queremos na hora. É a função dos pais dizer o ‘não’, porque ainda não temos razão para saber o que é certo e o que é errado. Quando criamos o princípio da razão, que desenvolvemos nosso Ego, ai sim passamos a usar o Superego.

Agora que já falei sobre onde se encaixa o ‘desejo’ na nossa mente, voltemos a falar sobre os sonhos e sobre a teoria de Freud: ‘Os sonhos são a manifestação de desejos reprimidos‘. Freud atribui ao sonho um caráter simbólico, formado a partir de dois mecanismos básicos: a condensação e o deslocamento, que servem para distorcer o desejo reprimido – ou recalque, como preferem os psicanalistas – e driblar a censura que nos impomos, no sono ou na vigília. A condensação é um processo de síntese (um sonho relatado em um parágrafo pode render muitas páginas de interpretação) e o deslocamento transfere a importância do tema em destaque para outro sem relevância

O problema em dizer isso é óbvio. A maior parte dos sonhos não tem nada a ver com desejo. Uns são tão banais que não podem entrar nessa classificação. Outros são pesadelos. Alguém deseja cair de um penhasco? Ver um ente querido morrer ou sofrer um acidente de carro? Ele sabia que não. Mas batia o pé: os desejos estariam quase sempre disfarçados. Sigmund explica: “Um dia falei para uma paciente, a mais inteligente das minhas sonhadoras, que os sonhos são a realização de desejos. No dia seguinte ela me contou ter sonhado que estava indo viajar com a madrasta”, escreveu em seu A Interpretação dos Sonhos, de 1899. “Mas eu sabia que, antes, ela tinha protestado contra o fato de que teria de passar o verão na mesma vizinhança que a madrasta. De acordo com o sonho, então, eu estava errado. Mas era o desejo dela que eu estivesse errado, e esse desejo o sonho mostrou realizado.” Bom, às vezes uma viagem de trem com a madrasta é só uma viagem de trem com a madrasta…

Então, não podemos generalizar, mas quando sonhamos, geralmente é o que nosso inconsciente deseja. Nós não escolhemos os sonhos, mas devemos prestar muita atenção neles, pois podem haver mensagens escondidas, desejos reprimidos, ou mesmo coisas que devemos superar e aceitar. ‘Podemos aprender sobre as emoções que nos guiam na vida real se prestarmos atenção nos sonhos’, diz o psiquiatra J. Allan Hobson, de Harvard. O exercício aí é tentar decifrar as metáforas dos sonhos, encontrar quais elementos da sua vida estão por trás delas – uma tarefa profunda e pessoal em que nenhum dos dicionários de sonhos já feitos desde a invenção da escrita vai poder ajudar.

Eu realmente estou tentando entender os meus. Ó céus, alguém me mande uma luz? Porque está muito, muito difícil!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s